Clínica Sporth

Calçados no Esporte

Escolher o calçado mais adequado a uma determinada prática esportiva não é uma tarefa tão fácil quanto parece ser. Envolve orientação profissional especializada, definição do objetivo para o qual estamos comprando aquele determinado calçado, conforto e beleza.

ESCOLHA DO CALÇADO

O pé com carga pode ser considerado cavo, neutro ou plano de acordo com a altura do arco plantar. De 60 a 77% dos atletas apresentam um pé neutro. Os termos supinador, pronador ou hiperpronador dizem respeito a movimentos articulares do pé durante a prática esportiva, levando o pé a uma determinada posição no momento em que está em contato com o solo. Tal medição é de difícil realização quando feita puramente de forma visual, envolvendo avaliações clínicas e laboratoriais complexas.

No momento da escolha do calçado o atleta deverá provar os dois lados, provar o calçado em pé, saltar, trotar e simular uma freada brusca com o objetivo de avaliar um desconforto nos dedos. A distância entre o dedo maior e o termino do calçado deverá ser de meia a uma polegada. O horário do dia influencia na escolha do calçado, pois os pés costumam ficar mais edemaciados ao final do dia. Nos pacientes mais idosos, que apresentam uma diminuição da percepção do posicionamento dos pés, os calçados mais seguros e que apresentam uma maior estabilidade, ou seja, maior firmeza possui uma baixa espessura da entresola.

Os calçados são compostos de duas partes: cobertura e sola, sendo que a cobertura se subdivide em: caixa dos dedos, garganta, língua, colo, protetor do tendão calcâneo, forração, estabilizador de calcanhar e barras estabilizadoras. A Sola é subdivida em: sola média ou entresola que é o “coração” do calçado onde estão dispostos os diferentes materiais como gel, ar entre outros e a sola externa.

ESCOLHA ESPECÍFICA PARA CADA ATIVIDADE FÍSICA

Nos dias de hoje com os inúmeros modelos, cores e preços encontram uma imensa variedade de calçados, que nem sempre estão adequados para aquela determinada prática esportiva.

QUANDO TROCAR O CALÇADO

De maneira geral um calçado esportivo conserva aproximadamente 75% da sua capacidade de absorção inicial ao choque após 50 milhas de corrida e aproximadamente 67% após 100 a 150 milhas. Entre 250 e 500 milhas, o calçado esportivo perdeu cerca de 70% de sua eficiência. A troca do calçado deve respeitar a perda de suas funções como a absorção e proteção durante a prática esportiva, evitando lesões. Obviamente com o marketing envolvido no desenvolvimento destes calçados a pressão para que se troque o calçado antes do tempo é muito grande. Alem disso o fato do atleta achar que está utilizando um calçado mais caro e consequentemente com mais tecnologia, o coloca em uma posição de descuido com a técnica esportiva.  Por outro lado os altos preços levam a uma demora na troca ou até mesmo na compra de um calçado inadequado.